Corte serrado com máquina horizontal

Lamina de corte

Saiba como utilizar laminas de corte para serrar aço

A simples ação de cortar diferentes materiais facilita a vida do ser humano, quem consegue cozinhar sem cortar um alimento? Rasgar um papel funciona, mas nada como o corte preciso de uma tesoura. Ter acesso à madeira em diferentes tamanhos e formatos multiplicou as oportunidades de construções em diversas áreas – de um pedaço de tronco podemos sentar confortavelmente em uma cadeira por exemplo.

Os cortes evoluíram e muito, mas para nós da Steelcarbon, ainda é impressionante observar como uma estrutura indiscutivelmente mais fina como a lâmina pode dividir um bloco de aço. Um material tão resistente e pesado que se parte com a passagem contínua de uma lâmina em alta velocidade.

A própria máquina de corte, hoje, parece comum, e seu funcionamento simples, mas além de sua engenharia existem muitas “receitas” para que esta estrutura apresente o resultado do corte perfeito. A primeira delas é conhecer os tipos de máquinas.

Existem no mercado vários tipos de serras, horizontal, vertical, com uma ou duas colunas, serras para peças maiores e menores. Cada máquina com uma particularidade que facilita a produção do corte de acordo com o seu objetivo. Por exemplo, máquinas com morsas que prendem tanto o bloco quanto a peça resultante do corte. Sem este formato de morsa, o bloco pode tombar na máquina, causando grande ruído e possíveis danos na mesa e em mangueiras hidráulicas. Apresentando também o risco de danificar uma lâmina causando outros prejuízos.

Se o objetivo por exemplo for “abrir” um bloco de 1000 x 1000 mm, a máquina utilizada deve ser muito robusta, com parâmetros de corte bem definidos e um ótimo sistema de refrigeração.   Do contrário, o material é até cortado, porém, pode ocorrer um desvio ao ponto de perder todo o bloco. Aliás, falando em refrigeração, a concentração de óleo no tanque de refrigeração é outro fator importante na hora do corte, sendo o ideal entre 3 e 5%. Dependendo do tamanho da serra recomenda-se fazer a medição do nível de óleo ao menos uma vez por dia.

A refrigeração tem ação direta também na vida útil das lâminas, um único corte sem refrigeração diminui consideravelmente o seu tempo de uso. Além da refrigeração, o amaciamento correto de uma lamina permite aproveitá-la ao máximo. Mas o que seria aproveitar ao máximo uma lamina?

Uma lâmina tem que durar no mínimo o seu comprimento linear, assim, se uma lamina possui 11 metros lineares, deve render 11 m² de corte. Na prática, permitir cortar 11 peças de 1000 x 1000 mm.

Para saber quanto produziu cada lâmina, recomendamos sempre um gerenciamento de corte, ou seja, anotar a área de corte de cada peça. Assim, após a troca da lamina sabemos quantos m² de corte ela rendeu. Anotando a altura e largura de cada corte e multiplicando por 0,01, definimos a área de corte.

No caso de a lâmina não obter rendimento, indica-se rastrear problemas no processo, sendo um deles o vazamento de óleo hidráulico, o qual faz com que a máquina perca força e a lâmina trabalhe “frouxa”, aumentando em muito o risco de desvio no corte.

Outro fator a considerar, é a dureza dos aços, pois para um material mais “rígido” recomenda-se uma lâmina mais nova. Assim, pode ser adaptada a lâmina – com mais ou menos uso – ao tipo de material a ser cortado Observando esses cuidados é possível ter um bom aproveitamento de rendimento de lâminas de corte.

Esperamos que esse pequeno texto possa ajudar a melhorar o processo de corte na sua empresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *