Eletroerosão – entenda o que é e como funciona

Eletroerosão por penetração

O processo de usinagem por eletroerosão que conhecemos hoje começou com as observações de Joseph Preistly em 1770. Ele notou  em suas experiências que as descargas elétricas haviam removido material dos eletrodos.

Na década de 1940, dois pesquisadores soviéticos, os Lazarenkos, desenvolveram um processo de usinagem que formou as bases para a eletroerosão moderna. A usinagem por eletroerosão também é chamada de EDM (Electrical Discharge Machining), usinagem de descarga elétrica, em tradução livre.

Foto: Imagem eletroerosão.

Princípios da usinagem por eletroerosão

O processo EDM pode ser usado de duas maneiras diferentes:

 

  • Eletroerosão por penetração: Um eletrodo pré-formado ou formado, feito de cobre ou grafite, é moldado na exata forma que ele deve reproduzir na peça. O eletrodo dispara descargas elétricas altamente controladas em pontos previamente determinados pelo programa de corte removendo assim microparticulas de metal da ferramenta usinada, transferindo a forma do eletrodo para a peça.

 

  • Eletroerosão a fio: Um eletrodo em formato de fio no diâmetro de uma pequena agulha ou menos, é controlado pelo computador para seguir um caminho programado e cortar uma ranhura estreita através da peça de trabalho para produzir a forma necessária.

Usinagem por eletroerosão convencional

Nós, da Steelcarbon, fornecemos o grafite para o processo de erosão por penetração por entendermos que é mais vantajoso (Ver nosso post sobre grafite x cobre). Neste processo, uma faísca elétrica, produzida por um eletrodo, é usada como ferramenta de corte para corroer (erosão) a peça de trabalho a fim de produzir a peça final na forma desejada.

No processo EDM tanto o material da peça como o material do eletrodo devem ser condutores de eletricidade, pois a eletroerosão por penetração age como um curto elétrico que cria um pequeno orifício na peça de metal ao ser disparado pelo eletrodo.

O eletrodo e a peça de trabalho são ambos submersos em um fluido dielétrico, que geralmente é um óleo lubrificante. Um servomecanismo mantém um espaço de aproximadamente a espessura de um cabelo humano entre o eletrodo e a peça, evitando que eles entrem em contato.

O Servomecanismo

As máquinas EDM de fio e penetração estão equipadas com um mecanismo de controle que mantém automaticamente um espaço constante sobre a espessura de um cabelo humano entre o eletrodo e a peça de trabalho. É importante para ambos os tipos de máquina que não haja contato físico entre o eletrodo e a peça de trabalho, caso contrário o arco pode danificar a peça de trabalho e quebrar o fio.

O servomecanismo avança o eletrodo para a peça de trabalho à medida que a operação progride e detecta o espaçamento, controlando-o para manter o intervalo de apropriado, que é essencial para uma operação de usinagem bem sucedida.

Vantagens da usinagem por eletroerosão

As máquinas convencionais de EDM podem ser programadas para usinagem vertical, orbital, vectorial, direcional, helicoidal, cônica e rotação. Esta versatilidade proporciona às máquinas de eletroerosão muitas vantagens em relação às máquinas convencionais de corte:

  • Qualquer material que seja eletricamente condutor pode ser cortado usando o processo EDM.
  • As peças endurecidas podem ser usinadas eliminando a deformação causada pelo tratamento térmico.
  • Os movimentos dos eixos X, Y e Z permitem a programação de perfis complexos usando eletrodos simples.
  • Cortes e moldes de matrizes complexas podem ser produzidas com precisão, velocidade e custos mais baixos.
  • O processo EDM é livre de rebarbas.
  • Cortes finos e frágeis, como teias ou aletas, podem ser facilmente usinadas sem deformar a peça.

As vantagens de se usar o grafite EDM:

Com a garantia da qualidade alemã, a Steelcarbon fornece a grafite nas dimensões e com as informações que sua empresa precisa.

A grafite é usualmente utilizada em acabamento de cavidades, matrizes, insertos e palhetas utilizados em moldes termoplásticos e de injeção sobre pressão de alumínio, através da usinagem pelo processo de eletroerosão.

A grafite possui boa condutividade elétrica, baixo coeficiente de expansão térmica e permite o desenvolvimento de formas complexas como “canto vivo”.

Foto: Grafite R8500, geometria com palheta de 0,8 mm de espessura.

10 Comments

  1. Marcelo Piccoli disse:

    Muito esclarecedor o texto!
    Parabéns!!

  2. Ismael Fernandes da Silva Júnior disse:

    Preciso de 10 peças de grafite 10×10

  3. Marcus disse:

    Precisamos de serviços em eletroerosão. Vocês executam? Posso mandar os desenhos para uma proposta.

  4. Maurílio Pereira santana disse:

    Boa tarde estou com uma dúvida gostaria de saber se deixa muito tempo uma peça pesada se pode danifica a maquina por causa desse peso

  5. Piramid´s Quimica é uma empresa em São Paulo no grande ABC e trabalhamos com oleo para erosão com grande rendimento e pouca evaporação entre em contatato 11 4451-4801

  6. Denise disse:

    Boa tarde, a eletrocorrosão pode imantar as peças?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *